Documento sem título

Clique sobre o item para visualizar a explicação:


FOSSA SÉPTICA
   
  Dimensões da Fossa para 06 contribuintes (Pessoas)
Dimensões da Fossa para 04 contribuintes (Pessoas)
Aplicação do sistema
Indicação do sistema
Restrições ao uso do sistema
Distâncias Mínimas
Material de construção
Dispositivos de entrada e saída
Lajes de cobertura
Manutenção - Procedimento de limpeza dos tanques
INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO
   
FILTRO ANAERÓBIO
   
 

Dimensões do Filtro para 06 contribuintes (Pessoas)
Dimensões do Filtro para 04 contribuintes (Pessoas)
Perda de carga hidráulica entre o Tanque Séptico e o Filtro Anaeróbio
Sistema de distribuição de esgoto no filtro anaeróbio
Material de construção
Coleta de efluentes
Leito Filtrante
Sistema de drenagem do filtro anaeróbio
Furos nos tubos de distribuição de esgotos
Limpeza do filtro anaeróbio
Disposição de despejos resultantes da limpeza de filtro anaeróbio
INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO

--------------------------------------------------------------------------

FOSSA SÉPTICA


Dimensões da Fossa para seis contribuintes (Pessoas):

- 1,55 m de Altura.
- 1,60 m de Diâmetro.
Dimensões correspondentes a Fossa para seis contribuintes (Pessoas).

Dimensões da Fossa para quatro contribuintes (Pessoas):

- 1,55 m de Altura.
- 1,30 m de Diâmetro.
Dimensões correspondentes a Fossa para quatro contribuintes (Pessoas).

Aplicação do sistema

O sistema de tanque séptico aplica-se primordialmente ao tratamento de esgotos doméstico e, em casos plenamente justificados, aos esgoto sanitário.
O emprego do sistema de tanque séptico paro o tratamento de despejos de hospitais, clínicas, laboratórios de análises clínicas, postos de saúde e demais estabelecimentos prestadores de serviços de saúde deve ser previamente submetido à aprovação das autoridades sanitária e ambiental competentes, para a fixação de eventuais exigências especificas relativas a pré e pós tratamento.

Indicação do sistema

O uso do sistema de tanque séptico somente é indicado para:
a) Área desprovida de rede pública coletora de esgoto;
b) Alternativa de tratamento de esgoto em áreas providas de rede coletora local;
c) Retenção prévia dos sólidos sedimentáveis, quando da utilização da rede coletora com diâmetro e/ou declividade reduzidos para transporte de efluente livre de sólidos sedimentáveis.

Restrições ao uso do sistema

O sistema em funcionamento deve preservar a qualidade das águas superficiais e subterrâneas no que diz respeito a estanqueidade e distâncias;
É vedado o encaminhamento ao tanque séptico de:
a) Águas pluviais;
b) Despejos capazes de causar interferência negativa em qualquer fase do processo de tratamento ou a elevação excessiva da vazão do esgoto afluente, tais como os provenientes de piscinas e de lavagem de reservatórios de água.

Distâncias Mínimas
Os tanques sépticos devem observar as seguintes distâncias horizontais mínimas
a) 1,50 m de construções, limites de terreno, sumidouros, valas de infiltração e ramal predial de água;
b) 3,0 m de árvores e de qualquer ponto de rede pública de abastecimento de água;
c) 15,0 m de poços freáticos e de corpos de água de qualquer natureza.

Material de construção

O Tanque Séptico é construído em fibra de vidro de alta resistência, de modo a não permitir a infiltração da água externa á zona reatora e vice-versa. Quando instalado no local onde há transito de pessoas ou carros deverá ser feito uma laje de concreto armado a cima do filtro, deixando uma ponto de abertura para a limpeza.

Dispositivos de entrada e saída

Os dispositivos de entrada e saída, construídos por tês sanitários ou septos, devem observar as seguintes relações de medidas;
a) Dispositivo de entrada; parte emersa, pelo menos 5 cm acima da geratriz superior do tubo de entrada, e parte imersa aprofundada até 5 cm acima do nível correspondente à extremidade inferior o dispositivo de saída;
b) Dispositivos de saída: parte emersa nivelada, pela extremidade superior, ao dispositivo de entrada, e parte imersa medindo um terço da altura útil do tanque a partir da geratriz inferior do tubo de saída;
c) As geratrizes inferiores dos tubos de entrada e saída são desniveladas em 5 cm.

Lajes de cobertura

As lajes de coberturas e respectivas aberturas de inspeção devem ser resistentes a solicitações de cargas horizontais e verticais, em dimensões suficientes para garantir a estabilidade em face de:
a) Cargas rodantes (veículos) e reaterro, no caso de os tanques estarem localizados em área pública, mesmo que não diretamente na via carroçável;
b) Sobrecargas aplicadas no dimensionamento das respectivas edificações, no caso de os tanques estarem localizados internamente aos lotes;
c) Pressões horizontais de terra;
d) Carga hidráulica à sobrelevação de lençol freático, em zonas suscetíveis a essa decorrência.

Manutenção - Procedimento de limpeza dos tanques

O lodo e a escuma acumulados nos tanques devem ser removidos a intervalos equivalente ao período de limpeza do projeto;
O intervalo pode ser encurtado ou alongado quanto aos parâmetros de projeto sempre que se verifiquem alterações nas vazões efetivas de trabalho com relação às estimadas.
Quando da remoção o lodo digerido, aproximadamente 10% de seu volume devem ser deixados no interior do tanque.
A remoção periódica de lodo e escuma deve ser feita por profissionais especializados, que disponham de equipamentos adequados para garantir o não-contato direto entre pessoas e lodo. É obrigatória o uso de botas e luvas de borracha. Em caso de remoção manual, é obrigatório o uso de adequada máscara de proteção.
No caso de tanques utilizados para o tratamento de esgotos não exclusivamente domésticos, como em estabelecimentos de saúde e hotéis, é obrigatória a remoção por equipamentos mecânicos de sucção e caminhão-tanque.
Anteriormente a qualquer operação que venha a ser realizada no interior dos tanques, as tampas devem ser mantidas abertas por tempo suficiente à remoção de gases tóxicos ou explosivos (mínimo: 5 min).

INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO

Antes do sistema ser instalado deve-se fazer um piso de concreto ou uma “cama” de areia de aproximadamente 10 centímetros, as laterais devem ser preenchidas com areia.
A diferença de nível entre a saída da fossa e a saída do filtro deve ser de no mínimo 10 centímetros.

FILTRO ANAERÓBIO

Dimensões do Filtro para seis contribuintes (Pessoas):
- 1,55 m de Altura.
- 1,30 m de Diâmetro.
Dimensões correspondentes ao Filtro para seis contribuintes (Pessoas).

Dimensões do Filtro para quatro contribuintes (Pessoas):
- 1,50 m de Altura.
- 1,05 m de Diâmetro.
Dimensões correspondentes ao Filtro para quatro contribuintes (Pessoas).

Perda de carga hidráulica entre o Tanque Séptico e o Filtro Anaeróbio

A perda de carga hidráulica a ser prevista entre o nível mínimo no tanque séptico e o nível máximo no filtro anaeróbio é de 0,10 m;


Sistema de distribuição de esgoto no filtro anaeróbio

Através de tubos perfurados de PVC, instalados sobre o fundo inclinado do filtro;

Material de construção

O filtro é construído em fibra de vidro de alta resistência, de modo a não permitir a infiltração da água externa á zona reatora e vice-versa. Quando instalado no local onde há transito de pessoas ou carros deverá ser feito uma laje de concreto armado a cima do filtro, deixando uma ponto de abertura para a limpeza.

Coleta de efluentes

A distribuição de esgoto afluente é feita através de tubos perfurados no fundo,as canaletas ou tubos coletores devem ser dispostos de forma anelar.
Os vertedores das canaletas dos tubos coletores de efluente do filtro anaeróbio devem ser dispostos horizontalmente de modo a coletar os efluentes uniformemente em todas as suas extensões.

Leito Filtrante

O leito filtrante é composto por brita número 03 ou 04.

Sistema de drenagem do filtro anaeróbio

Em filtros com distribuição de esgotos através de tubos perfurados instalados no fundo, este deve ter declividade de 1% em direção ao poço de drenagem.


Furos nos tubos de distribuição de esgotos

Nos tubos perfurados, os furos devem ter diâmetro de 1,0 cm com a variação admissível de mais ou menos 5%. A disposição dos furos deve seguir conforme representado em planta.

Limpeza do filtro anaeróbio

O filtro anaeróbio deve ser limpo quando for observado a obstrução do leito filtrante, observando-se:
a) Para a limpeza do filtro deve ser utilizada uma bomba de racalque colocando-se mangote de sucção no poço de sucção existente na caixa de entrada;
b) Se constatado que a operação acima é insuficiente para retirada do lodo, deve ser lançada água sobre a superfície do leito filtrante, drenado-a novamente. Não deve ser feita a “lavagem”completa do filtro, pois retarda a partida da operação após a limpeza;

Disposição de despejos resultantes da limpeza de filtro anaeróbio

Os despejos resultantes da limpeza do filtro anaeróbio em nenhuma hipótese deve ser lançados em cursos de água ou nas galerias pluviais. Os mesmos devem ser dispostos em Estação de Tratamento de Esgotos;


INSTALAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO

Antes do sistema ser instalado deve-se fazer um piso de concreto ou uma “cama” de areia de aproximadamente 10 centímetros, as laterais devem ser preenchidas com areia.
A diferença de nível entre a saída da fossa e a saída do filtro deve ser de no mínimo 10 centímetros.
O leito filtrante é composto por brita número 03 ou 04, que deve ser inserido através do tampão e após vedado com cola ou silicone.


Sistema está de acordo com as normas da ABNT - Vigilância Sanitária - Concórdia SC
Sob protocolo nº 1897/06
  © Ideia Good - Soluções para Internet